Os efeitos do sol

As marcas do sol

Morar no Brasil tem lá suas vantagens: o sol brilha praticamente o ano todo e, talvez por isso, o povo sorri mais. Isso sem falar nas cores de nossa pele, que completam o cenário de país tropical. Tanto sol que não resistimos. Mas a pressa em se bronzear, sem a proteção adequada, pode deixar a pele marcada e com manchas. Escuras ou esbranquiçadas, elas são causadas pelo descontrole na pigmentação da pele.

A melanina – o pigmento que dá cor à pele – é ativada ao tomarmos sol. A exposição excessiva ou inadequada à radiação solar provoca alterações no funcionamento das células produtoras da melanina e causa mudanças na pele. Embora o sol agrave todas as marcas, ele não é o único vilão no caso das peles manchadas: ferimentos, inflamações e até os anticoncepcionais estão envoltos com a síntese inadequada de melanina.

Recentes pesquisas indicam que as vitaminas C e A têm ação positiva tanto ingeridas como no uso tópico. Ou seja, elas podem ter um efeito benéfico ao serem aplicadas sobres as manchas. Mas cada tipo de mancha requer cuidados especiais, por isso devemos sempre seguir orientação médica para efetuar as aplicações.

Os produtos clareadores (em forma de cosméticos ou adquiridos apenas com receita médica) são uma boa alternativa para suavizar manchas superficiais. Dentre eles, a droga mais efetiva é a hidroquinona, seguida pelo ácido retinóico e o ácido avelaico. São diversas as marcas de clareadores, o tratamento é demorado, mas só um dermatologista poderá indicar o melhor para seu caso. Alguns produtos têm ação profunda e podem irritar sua pele, causando vermelhidão ou deixando-a áspera. De qualquer maneira, anote estas recomendações para tratar de suas manchas:

  • Não use clareadores sem antes consultar um dermatologista.
  • Jamais use cremes clareadores durante a gravidez.
  • Também não faça uso deles nos meses quentes de verão.
  • Não os use após peelings.
  • Nunca ultrapasse os contornos da região que deve ser clareada.
  • Bloqueador solar é obrigatório mesmo em dias sem sol. Se você trabalha sob luz fluorescente, ou precisa sair ao sol mesmo que por poucas horas, deve passá-lo a cada duas horas.
  • Após o tratamento, não esqueça que tudo pode retornar se você voltar a se expor ao sol.