Queda de cabelo

Para melhor entender a queda normal e anormal dos cabelos é importante saber sobre as fases do ciclo de vida dos fios. Existem 3 fases:

1. Anágena: fase de crescimento ativo do cabelo e pode durar por vários meses e até vários anos; a média é de 3 anos. O comprimento do cabelo de cada pessoa é determinado por essa fase, ou seja, se for mais longa em uma determinada pessoa, ela poderá ter cabelos mais compridos que outra cuja fase é mais curta.
2. Catágena: fase de transição. O período é relativamente curto, durando de 2 a 4 semanas e é quando ocorre uma interrupção do crescimento dos fios.
3. Telógena: a fase telógena dura de 3 a 6 meses e durante este período ocorre o desprendimento dos fios do couro cabeludo. Eles podem facilmente ser arrancados apenas penteando ou lavando os cabelos. Terminada essa fase, um cabelo novo cresce da mesma raiz reiniciando o ciclo.

Nosso cabelo é composto normalmente por 80 a 90% de fios na fase anágena, 10 a 15% na fase telógena e menos de 1% na fase catágena.

Queda anormal de cabelos

As quedas de cabelo mais comuns são:

Eflúveo telógeno

O eflúveo telógeno ocorre quando:

  • Mais de 100 fios telógenos são eliminados por dia.
  • Os fios que caem não são da fase telógena.

Causas
As causas são desconhecidas porém alguns fatores podem levar à queda em homens e mulheres como:

  • pós parto,
  • fatores hormonais,
  • uso de contraceptivos orais,
  • regime de emagrecimento,
  • deficiências de proteínas, de ferro e zinco,
  • stress prolongado,
  • doenças sistêmicas,
  • infecções.

Tratamento
O tratamento da queda de cabelos deve ser individualizado e específico para cada caso, combatendo a(s) causa(s) encontrada(s). Normalmente consiste em:

  • Medicações: podem ser utilizadas por via oral ou local (tônicos, shampoos, loções etc.).
  • Crioterapia com neve carbônica.

É muito importante evitar a automedicação. Por isso consulte sempre o seu médico para ter um correto diagnóstico e o tratamento adequado ao seu caso.

Alopecia androgênica

Conhecida popularmente como calvície, pode ser reconhecida como “entradas” na região da testa. Pode ocorrer em toda a região mais alta da cabeça e é mais freqüente entre homens.

Sintomas
O início da queda pode acontecer na adolescência quando se inicia a produção de hormônios sexuais. A progressão pode ser lenta ou rápida e quanto mais cedo iniciar, mais intensa será. Ou seja, quando o início é precoce, na adolescência, a evolução é mais rápida e a calvície atinge quase todo o couro cabeludo, poupando somente as têmporas e a nuca. Porém quando ela se instala entre 40 e 50 anos, dificilmente evoluirá para uma alopecia extensa.

Entre as mulheres, se apresenta de forma distinta. Os cabelos vão se tornando mais finos e há uma rarefação difusa nas regiões da parte mais alta da cabeça e frontais (acima da testa) sem formar áreas de queda total.

Causas
A causa da alopecia androgênica é hereditária. Ela é determinada geneticamente com a participação de hormônios masculinos chamados andrógenos (testosterona, por exemplo).

Tratamento
O tratamento deve ser sempre prescrito por dermatologistas pois há muitos remédios “alternativos” mas sem resultados comprovados cientificamente. Por isso, sempre desconfie de medicamentos “milagrosos” oferecidos no mercado.

Alopecia areata

Conhecida popularmente como pelada, ocorre quase sempre no couro cabeludo e na área de barba. A alopecia areata é caracterizada pela perda de cabelos ou pelos em áreas redondas ou ovais, sem sinais de inflamação (vermelhidão, inchaço local ou dor) nem afinamento de pele.

Causas
As causas ainda permanecem desconhecidas, mas normalmente são investigados fatores genéticos, endocrinológicos (alterações hormonais) e emocionais.

Tratamento
O tratamento é eficaz na maioria dos casos. Porém nos casos em que ocorrem quedas repetidas em um mesmo local ou quando existe queda de quase todos os cabelos, o tratamento é mais lento e os resultados demoram a aparecer. Por isso, consulte sempre um médico para ter o tratamento adequado para o seu caso.

A Alergoclínica é uma clínica de Alergia e Dermatologia que conta hoje com 6 unidades na Grande São Paulo e uma equipe de Alergistas, Dermatologistas e Fisioterapeutas.